Membro de organização que matava por encomenda em MT é condenado a 22 anos de prisão | Mato Grosso



Arma de Fogo é na Pantanal Armas de Fogo



Suporte via whatsapp!


O membro de um grupo de extermínio em Várzea Grande, Marcos Augusto Ferreira Queiroz, foi condenado por júri popular, nessa terça-feira (3), a 22 anos de prisão por homicídio qualificado. Ele foi alvo da ‘Operação Mercenários’, que investiga uma organização criminosa que matava pessoas por encomenda e recebia dinheiro por isso.

O réu foi condenado a 22 anos e 6 meses em regime fechado, por homicídio qualificado da vítima Edcarlos de Oliveira Paiva. O crime ocorreu no dia 25 de abril de 2016, em Várzea Grande, região metropolitana da capital.

De acordo com a sentença, as interceptações feitas com autorização judicial e declarações prestadas no decorrer do processo apontam que o crime foi praticado de forma previamente planejada, através de conversas telefônicas codificadas mantidas entre os envolvidos no homicídio.

A vítima estava em um bar próximo da sua casa, conversando com o proprietário do estabelecimento, quando levou sete tiros de três armas de fogo diferentes.

De acordo com a denúncia do Ministério Público do Estado de Mato Grosso, o homicídio contou com a participação de outras quatro pessoas, todas integrantes do grupo de extermínio.

Os demais já respondem a ação penal e alguns deles, inclusive, já se submeteram ao júri popular.

Armas e <b><a href=munições foram apreendidas na ‘Operação Mercenários’ — Foto: Assessoria/Polícia Civil de MT” title=”Armas e munições foram apreendidas na ‘Operação Mercenários’ — Foto: Assessoria/Polícia Civil de MT” src=”data:image/jpeg;base64,/9j/4AAQSkZJRgABAQAAAQABAAD/2wBDAAMCAgMCAgMDAwMEAwMEBQgFBQQEBQoHBwYIDAoMDAsKCwsNDhIQDQ4RDgsLEBYQERMUFRUVDA8XGBYUGBIUFRT/2wBDAQMEBAUEBQkFBQkUDQsNFBQUFBQUFBQUFBQUFBQUFBQUFBQUFBQUFBQUFBQUFBQUFBQUFBQUFBQUFBQUFBQUFBT/wgARCAATABkDASIAAhEBAxEB/8QAGAAAAwEBAAAAAAAAAAAAAAAAAAQFBgf/xAAXAQEAAwAAAAAAAAAAAAAAAAADAAEE/9oADAMBAAIQAxAAAAFhhFUGiTqD0roWKDO1TAA5/wD/xAAfEAACAgIBBQAAAAAAAAAAAAACBAMFAAEGExQVFiP/2gAIAQEAAQUCjuZUoXb+5GUeUuMb9jLHB6FY7bMAsps5HOzycBNdaEBni38PKNZ//8QAGREBAAIDAAAAAAAAAAAAAAAAAAERAhIT/9oACAEDAQE/AedU1ZJf/8QAGhEAAwADAQAAAAAAAAAAAAAAAAECAxESQf/aAAgBAgEBPwGcvWx0vUQQf//EACkQAAIBAgMFCQAAAAAAAAAAAAECAAMRBBIiEyExM0EkMlFhgZGi0uH/2gAIAQEABj8CPY1xCZuN9QhXDrUrUcp5T6QPDesN8K1/PL9JycR7/kqNqvbpKS1K2zy5tK6QwHSOUYEIBdfXdO6sYMoYW6zG7uBFpecz4if/xAAiEAEAAgIBAgcAAAAAAAAAAAABACERQTFRcWGhwdHh8PH/2gAIAQEAAT8hIg2w5GNYvmcO7AY3VY4gq6gIbfjH5uXqWzRa9YWDVsg27YqEGyqbBkY1XnMPijkBwGSEJUAXIVnjvF0CDwT7fYn/2gAMAwEAAgADAAAAELGAHP/EABkRAAMBAQEAAAAAAAAAAAAAAAABEUExUf/aAAgBAwEBPxBwxd8ErdOkPIf/xAAbEQEAAgIDAAAAAAAAAAAAAAABABEhMUFx8P/aAAgBAgEBPxBlbNaI6gHsmr7kgG7J/8QAHhABAQACAwEAAwAAAAAAAAAAAREAITFBUWEQgfH/2gAIAQEAAT8Q1NrACxq830JvrAtpGIncEjopOLHALcVqua2Gq23Xv4JCja2wnQzV3Edb+YFQmH6KLy2wiUJDB38REQjcy1tXpn9tl6EE7Js0604MO6QCmCYHL9GEQAEgQChPDzPlz//Z”/>Armas e <b><a href=munições foram apreendidas na ‘Operação Mercenários’ — Foto: Assessoria/Polícia Civil de MT” title=”Armas e munições foram apreendidas na ‘Operação Mercenários’ — Foto: Assessoria/Polícia Civil de MT” data-src=”https://s2.glbimg.com/EydpSyzURY-dudS6UYVPYO2CjjI=/0x0:1280×960/984×0/smart/filters:strip_icc()/s.glbimg.com/jo/g1/f/original/2016/04/26/mercenarios4.jpg”/>

Armas e munições foram apreendidas na ‘Operação Mercenários’ — Foto: Assessoria/Polícia Civil de MT

O motivo do crime, segundo consta na sentença, foi o fato da vítima ser usuária de drogas e suspeita de participar de atos infracionais de roubo e tráfico de drogas na região do Cristo Rei, em Várzea Grande.

‘Operação Mercenários’

A operação ‘Mercenários’ prendeu 17 integrantes de uma organização criminosa que matava pessoas por encomenda e recebia dinheiro por isso. As prisões foram em abril de 2016.

Segundo a Polícia Civil, o grupo foi descoberto depois de uma investigação que apurava homicídios ocorridos em Várzea Grande e Cuiabá. Em todos os casos, as testemunhas relatavam que os criminosos estavam vestidos com roupas camufladas, roupas pretas e capuzes.

O Ministério Público Estadual afirma que o grupo tinha aparato para cometer os crimes, como armamento sofisticado, rádio amador, silenciador de tiros e carros e motos com placas frias.

Além dos seis policiais militares, a operação também prendeu seis vigilantes que trabalhavam em empresas e comércios em Várzea Grande, duas pessoas consideradas como ‘mandantes’, duas pessoas que tinham o papel de ‘informantes’ no grupo e um gerente de uma empresa.

Conforme a Polícia Civil, os policiais militares atuavam como executores.

As investigações apontam que o grupo cometia os assassinatos por questões financeiras, já que os integrantes eram contratados.

A polícia acredita que o grupo preso está vinculado a pelo menos cinco homicídios ocorridos entre os dias 3 de março a 13 de abril de 2016, na região metropolitana.




Lanterna Tática SFX

A Lanterna Tática SFX foi construída por especialistas em artefatos militares. Você só encontrará estas tecnologias na SFX e em nenhuma outra lanterna. As maiores autoridades em segurança utilizam a nossa tecnologia por ser Única, Incrível e Poderosa.

Lanterna Tatica

-
× Como posso te ajudar?